Comissão aprova relatório de Kaefer sobre Rota 2030




A comissão mista criada para analisar a Medida Provisória 843, que institui Rota 2030, aprovou o relatório do deputado Alfredo Kaefer (PP-PR) sobre o novo programa de metas e incentivos para o setor automotivo. A aprovação ocorreu um dia antes do prazo final para aprovação da medida na comissão, após muitas negociações por um texto consensual e com a pressão das montadoras, que temem que a MP não seja votada até 14 de novembro, quando perde a validade.

O texto do relatório segue agora para votação no Plenário da Câmara e do Senado, onde pode sofrer alteração. Segundo o relator, a expectativa é de que ele seja aprovado nas duas casas antes do feriado de Finados, e siga para a sanção do presidente Michel Temer na próxima semana. Segundo Kaefer, Temer quer que o programa seja aprovado até 8 de novembro para sancionar a lei na abertura do Salão do Automóvel de São Paulo. O Rota 2030 é um dos mais importantes projetos da atual legislatura e prevê cerca de R$ 2 bilhões em incentivos por ano ao setor automotivo.

Emendas

Antes de passar pela comissão, o texto tinha pelo menos 81 emendas que sugeriam até uma nova isenção de IPI para carros convencionais. Embora a maioria tenha sido rejeitada pela comissão, as emendas ainda poderão ser reapresentadas como destaques pelos deputados ou pelas bancadas no Plenário da Câmara, explica Alfredo Kaefer, que pretende reapresentar uma emenda que trata de redução maior do IPI para carros híbridos flex no Brasil.

A partir de novembro, veículos híbridos e elétricos passam a pagar menos IPI. “A princípio, todas as divergências que atrasaram a apreciação da MP na comissão foram apaziguadas. Até quinta (1º) devemos liquidar a votação na Câmara e no Senado. Vamos ver se salvamos algumas das emendas rejeitadas como destaque para votação no Plenário”, disse Kaefer.

Mudanças

O relator manteve o texto original da MP enviada pelo Executivo, mas incluiu mudanças para beneficiar o setor, como o aumento da alíquota mínima do Reintegra, programa que devolve parte dos tributos pagos por exportadores na cadeia produtiva. Alfredo Kaefer também incluiu um artigo que permite empresas com dívidas superiores a R$ 15 milhões a aderirem ao último Refis da Receita Federal. A possibilidade foi criada para atender empresas de autopeças.

Com concordância do governo, o relator, deputado Alfredo Kaefer (PP-PR), incluiu no texto aprovado a determinação de que empresas dos comércio varejista de calçados, moveleira e artigos de viagem sejam beneficiadas com a desoneração da folha de pagamentos. É o chamado jabuti que no jargão legislativo indica uma emenda que não tem relação com o conteúdo original da MP.

Queda de braço entre montadoras

Um dos principais impasses foi resolvido e o regime automotivo do Nordeste, do Norte e do Centro-Oeste, que acabaria em 2020, foi prorrogado até 2025. Como o governo era contrário à prorrogação, ficou decidido que os investimentos das empresas nas regiões gerarão créditos que só poderão ser descontados nos impostos a serem pagos sobre a produção das montadoras instaladas nesses locais. Antes, o crédito poderia ser usado pelo grupo em todo o País.

Segundo o senador Fernando Bezerra (MDB-PE), isso reduzirá o gasto tributário com o programa em 44%. Inicialmente, o relator Alfredo Kaefer pretendia acatar uma emenda apresentada pelo senador Armando Monteiro (PTB-PE), que determinava que o crédito gerado poderia ser abatido apenas sobre o IPI a ser pago pelas montadoras. Após reclamação de fábricas da Bahia, o texto foi alterado e o abatimento poderá ser feito em qualquer imposto federal. 

(O Paraná) 





Compartilhe: Compartilhe no Twitter  Compartilhe no Facebook  Compartilhe no Google Buzz  Adicione aos favoritos no Google
11/05/2017
Kaefer pede o fim da cobrança do Funrural
  
CLIQUE AQUI PARA ABRIR O PDF.
clique aqui